Trabalho e Inclusão Social

 em Histórias de superação
Trabalho

A importância do trabalho é inegável na vida de todo ser humano. Além de garantir a sobrevivência é considerado por diversos autores, um fator estruturante da vida, na medida em que permite a troca de experiências e o aprendizado, amplia os contatos sociais, viabiliza uma estruturação temporal do dia e permite o estabelecimento de metas, planos, a realização de sonhos, a autorealização. Fornece acima de tudo, uma identidade social.

Deveria, portanto, fazer parte da vida de todos. Infelizmente as estatísticas revelam o grande contingente de pessoas que não dispõem, pelo menos formalmente, de um trabalho. Pessoas com deficiência inata ou adquirida, apresentam dificuldades ainda maiores na busca por um trabalho, motivo pelo qual foram criadas as cotas específicas, que visam minimizar este problema, na busca pela inclusão social.

Entretanto, a garantia de um trabalho não significa garantia de inclusão social. Não são poucos os relatos ou ações judiciais de pessoas com deficiência, no sentido de lutas pessoais para a garantia de direitos básicos, como a acessibilidade, por exemplo. Sabe-se que o problema da acessibilidade vai para além do deslocamento nas ruas, como pode pensar a maioria das pessoas, extendendo-se para as condições de trabalho.

Inclusão Social

Embora a Inclusão social refira-se à uma série de ações que visam combater a exclusão da pessoa aos benefícios da vida em sociedade, provocada por diferenças como as educacionais, de idade, deficiência, gênero, classe social, raça/etnia, oferecendo oportunidades de acesso a bens e serviços, muito há que ser feito para erradicar o que está na origem da exclusão: a discriminação e o preconceito, a ideia de “normalidade”, que as embasa.

Incluir socialmente uma pessoa, significa respeitá-la em sua condição de vida;  reconhecê-la como portadora de direitos e deveres aceitando-a como igual nestes aspectos; atribuir-lhe a devida competência; fornecer os meios para que possa desenvolver suas potencialidades… ou seja, significa olhar para o outro  sem os viezes do preconceito.

Por: Mirtes Menezes, Psicóloga e Mestre em Educação.

Conheça as palestras de Mirtes Menezes. Clique aqui

acidente-trabalho-superacao-protese

Mario Christ perdeu um braço no trabalho. Fez o curso de técnico de segurança e atua na mesma empresa nessa função atualmente

Você conhece a Lei de Cotas? Saiba mais como funciona e o que essa lei garante

Conheça a história do acidente de trabalho Flavio Peralta

Conheça outras histórias de acidentes de trabalho de nosso portfólio

Contato:
flavio@amputadosvencedores.com.br
43 3338-1781 e 9 9997-6275

Postagens Recomendadas

Deixe um Comentário

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar